quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Distribuição territorial de votos nulos, brancos e abstenções na cidade de São Paulo (2012 - 2016)



Nos últimos dias tem sido discutido amplamente o peso dos votos nulos, brancos e abstenções no resultado da última eleição. É recorrente a afirmação de que esse processo de esvaziamento da participação da população no pleito eleitoral tem sido contínuo no tempo. Entretanto nos perguntamos se ele tem sido regularmente distribuído no território e se essa distribuição tem se mantido inalterada.

Acreditamos que essas respostas possam ajudar a compreender o processo que vivemos.

Para responder as questões acima, tomamos para essa análise os dados do município de São Paulo no primeiro turno nos anos de 2012 dados de votação para prefeito, 2014 dados para a votação de governador e 2016 dados para votação de também de prefeito. Utilizando dados do TSE agrupando em uma única classe abstenções, brancos e nulos. Considerados na proporção para eleitores aptos sempre para o pleito em questão. Utilizamos como método de distribuição das frequências os quartis para todos os dados.
Observe que para o ano de 2012 as maiores concentrações de votos brancos, nulos e abstenções concentram-se no centro expandido. Esse padrão é alterado para o ano de 2014, nesse ano a abstenção desloca-se para as regiões periféricas restando no centro apenas as proximidades do Brás e da Sé com alta concentração de votos brancos, nulos e abstenções.


 
Nos parece evidente uma alteração de percepção da realidade que alijou setores antes com maior engajamento no processo eleitoral. Essa alteração de percepção por outro gerou um engajamento maior de atores antes menos envolvidos no processo.

Vale recordar o que de mais relevante ocorreu nesse período. As manifestações de 2013 que varreram o país. Nos parece a hipótese mais razoável para a explicação do fenômeno de inversão no padrão espacial entre votos brancos, abstenções e nulos. No entanto outros fatores também podem ter contribuído como a própria deterioração da economia.

Assim como o aprofundamento do processo de abstenções, brancos e nulos já demandará a inclusão de outros fatores na análise esse não é o nosso foco.
Em 2016 temos o patamar das abstenções subindo para a casa dos 30% por zona eleitoral, encontrando suas máximas próximas de 40%. A tendência de maior participação do centro se mantêm com a exceção da região da Sé e Brás, tendência já presente em 2014, o extremo sul mantém sua abstenção estável entre 2014 e 2016 em um cenário de deterioração da participação nas eleições.
 
Por fim, lembramos que a maior parte dos dados tem alguma componente geográfica, isso nos permite afirmar que a análise geográfica é essencial para uma compreensão correta da realidade. Aqui demonstramos como a abstenção é um fenômeno variável pelo território apresentando inclusive mudança de padrão espacial no tempo.

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Agrupando as contagens de domicílio por quadra a partir de dados oficiais do IBGE


Com a preocupação de ofertar benefícios aos diferentes segmentos que demandam por um ajuste fino na demografia como, por exemplo, redes com lojas pequenas, sejam elas de supermercados de bairro, lanchonetes, cafeterias etc, que contam com uma área de abrangência primária de apenas algumas quadras. Pensando nesses mercados reagrupamos os dados de domicílio dos setores censitários para o nível de quadras. Usando para isso os dados de face de logradouro, divulgados recentemente pelo IBGE.
Sabemos que muitas vezes os domicílios não são distribuídos por igual dentro de um setor censitário (355030871000074). Em algumas situações essa diferença pode ser significativa.


Observe que na quadra central existe um edifício, que na última quadra um galpão, o que caracteriza uma não uniformidade. Mas uma tematização de concentração de domicílios por setor fará a representação de forma uniforme.

 

Essa é a forma como nos acostumamos a visualizar as informações.
A partir da divulgação das faces de logradouro pelo IBGE começamos a virar essa página, a partir do amplo domínio sobre as documentações do Censo 2010 e sobre técnicas de análise de dados e de geotecnologias geramos as quadras e reagrupamos a partir dos dados disponibilizados as contagens de domicílio por quadra.


Hoje esse trabalho atinge 73,47% das quadras geradas que cobrem toda a área urbana do município de São Paulo. Existem, portanto, incompletudes no dado, majoritariamente em razão de inconsistências no insumo.
 
Para ilustração, apresentamos o distrito do Itaim Bibi. Já estão habilitadas as camadas que complementam as quadras que são setores. Compreende, setores em que quase sua totalidade está relacionada a edifícios, assim como a camada de setores seca relacionada aos setores com corte transversal, ambos não seriam apropriados para o corte por quadra. Também está presente uma camada de setores com a mesma informação, representada da forma convencional, basta desligar as demais e ligar essa camada.

Os dados estão organizados no método do quartil, logo os agrupamentos não são exatamente iguais.

Contato comercial exclusivamente através do e-mail: sandrovaleriano@hotmail.com



Web Analytics